sábado, 13 de agosto de 2011

Cavalgada da Lua Cheia - São Luiz do Purunã



A região de São Luiz do Purunã, que se confunde com os Campos Gerais possui diversas fazendas de cavalos. Não poderia ser diferente, por ser em grande parte formada por uma fina camada de terra sobre solo rochoso não sendo ideal para a agricultura, somente para o pasto. Dessa característica surgem também diversos rios sobre as lages de pedra, formando recantos muito bonitos, a citar o mais antigo e público Recanto dos Papagaios.

Há poucas semanas conheci a fazenda do amigo Daniel, que é a Cabanha Esperança, no alto próximo as torres de telecomunicações, dentre elas a da Embratel.
Existem nessa região também muitas pousadas, como a Cainã, mais famosa e que no inverno convoca os apreciadores para o rodizío de sopas, além de passeios a cavalo, assim como o Rancho Ventania.

Se o céu está limpo num dia de lua cheia, pode-se fazer a cavalgada da Lua Cheia, que foi o nosso roteiro desse sábado a noite.

Por uma coincidência o Rancho Ventania, ficou ocupado por jipeiros, o que fez transferir a disponibilidade dos cavalos para o seu vizinho.



Na oportunidade um teste de fotos noturnas, que é bem difícil quando a câmera não é a ideal, mas possui bons recursos.

Depois de 1:30 h de passeio uma pizza no restaurante do Rancho Ventania que é uma boa dica de passeio de fim de semana.



Percurso improvisado no GPS.



Ps 01. Se eu fosse pobre pelo menos uma vez  na vida eu teria um haras.

Morro Anhangava Prá Começar

Vista do Morro do Anhangava atrás a partir do Morro Samambaia

Há um tempo atrás o amigo de pedais João Pavan estava procurando um lugar para levar um pessoal novo em uma trilha. Eu sugeri então que fossem para o morro do Anhangava, por acreditar que, quem nunca foi a uma montanha começasse por lá, para ter todas as sensações dessa prática. No Anhangava uma pessoa pode ter a experiência de fazer uma caminhada começando pela trilha da Asa Delta até o morro do Samambaia  e seguir até o topo percebendo os desniveís entre blocos de pedra. 

Nesse percurso além da subida, o tempo para descanso e depois na parte mais alta as diversas vistas como a serra do Itibiraquera do Pico Paraná, Farinha Seca e do outro lado o Marumbi e até a serra do Prata, sem citar outros tantos. A partir da descida do Anhangava algumas boas dificuldades que são as escadas de ferro.



Quando fui lá na primeira vez na década de 90, fizemos a ida de bicicleta. Hoje não me lembro, mas não haviam as escadas, superava-se alguns desniveis de bloco de pedras depois de passar por uma pedreira que hoje não existe mais.

Vias e cordas do treinamento dos escaladores

Mas voltando ao topo, lá pode se ver como funciona a escola de escaladas, com muitos praticantes no fim de semana, além dos visitantes ocasionais, que tornam o local bem congestionado, ainda mais quando o tempo abre com um belo dia de sol, depois de alguns dias chuvosos.

Nossa saída se deu pela trilha da estrada da Baitaca, que dá nome a serra a qual esses morros pertencem, mais precisamente no Chiquinho, foi uma diversificação do costume, para numa outra ocasião quem sabe com o mesmo grupo descermos o Caminho do Itupava.


Ps 01. Noticias do Caminho do Itupava são de que, no final do mês de setembro de 2011 acredita-se que os trabalhos de limpeza estejam conclúídos, depois de 90 dias desde Março por ocasião das chuvas e devido a licitação.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...