domingo, 24 de julho de 2011

Morro do Araçatuba Muito Molhado



Eu diria que esse passeio foi um encontro de pessoas que se conheciam e não haviam combinado nada.

A idéia de ir para o morro do Araçatuba com a Bike Ativa foi a oportunidade para entrar em contato com eles para futuros passeios.
Ao chegar no ponto de saída não esperava encontrar a Simone, que me foi apresentada pelos Altaneiros no ano passado, quando fomos na Cachoeira do Panelão.
Também encontrei o Angelino colega da COPEL e amigo da Rosane e da Estela.
Surpresa mesmo foi o Rodrigo Ricetti que estudou comigo no 2. grau do técnico do CEFET-PR, há muito tempo atrás, numa galáxia muito, muito distante.

Mas vamos ao passeio para o morro. A esperança durante a semana foi que o tempo contribuísse e pareceria que sim. O Luciano da Bike Ativa nos levou até o Matulão, que fica numa saída a direita da BR-376 para SC, depois da represa do Vossoroca,. para chegar até o pé do morro depois de 8,5 km.

De primeira a recepção dos cachorros Urko e Antenado (nomes que eu inventei) e que nos acompanharam o tempo todo. O sol deu o seu ar da sua graça no começo fazendo tirar o anorak. Mas foi por pouco tempo, logo começou a garoa que enfrentamos até o topo do morro. Consultando o GPS com a trilha marcada, não era o mesmo do cume trilhado pelo Pedro Hauck no site Rumos.
Mas tudo bem, a garoa não permitiu uma vista e fotos melhores.


Ficou a sensação de um retornar um dia.
Ps 01. Conforme o Reginaldo num dos seus blogs, de fato lá venta muito.
Ps 02. A Bike Ativa está com a programação que é Desafio das 10 Montanhas.
Ps 03. O Morro é a divisa do Paraná e Santa Catarina próximo a BR-376
Ps 04. Por enquanto eu não estou treinando para uma situação difícil. Eu já escrevi em algum outro blog, que trilhas em  dias molhados não é legal para quem vai e para o que fica, no caso a Natureza. Prometo evitar. 

domingo, 10 de julho de 2011

Pedalando Rumo ao Festival de Inverno de Antonina-PR



Um dos prazeres de quem pedala em Curitiba é descer a serra do mar pela estrada da Graciosa.

A primeira vez que pedalei uma grande distância foi de Curitiba a Morretes por esse trecho.
Eram os tempos da mountain bike Monark, de pouca qualidade, pesada e com trocador de marcha impreciso. A melhor bicicleta era de um colega, uma Sundow, que tinha amortecedor dianteiro, era um máximo do período. Fizemos o trecho BR 116-Estrada da Graciosa-Morretes e chegamos a tempo de almoçar no restaurante Madalozo, o cardápio de Barreado. A nossa volta foi de trem. Era um transporte barato, como se hoje você pagasse R$10,00 pela passagem e R$20,00 pelo transporte da bicicleta. 

No passeio desse domingo muita coisa estava a mão. Organização, a qualidade da bicicleta. que é muito melhor, com tantos importados, principalmente da China, onde é possível ter bicicletas adaptadas e personalizadas. Há também o vestuário de ciclista, que até faz moda e diferencia aquele que pedala as grandes distâncias, do indivíduo que pedala ao redor de casa.

Numa iniciativa da UFPR por causa do Festival de Inverno, foi programado um passeio até a cidade de Antonina. A Bikesul ajudou organizando ao custo de 2 kg de alimento e um agasalho para doação. E assim cerca de 80 pessoas se inscreveram para o passeio. 

A idéia foi sair da unidade da Agrárias da UFPR no Juvevê as 9:20 horas , seguindo pela Av. Vítor Ferreira do Amaral, Av. Maringá em Pinhais e a Estrada da Graciosa até Quatro Barras, com uma parada na panificadora, e a mesma com o nome de Estrada D. Pedro, desviando pela estrada da Casa de Pedra até o Topo da estrada da Graciosa.

Na descida da Graciosa uma parada no primeiro quiosque. Depois em São João da Graciosa a parada do pastel perto do desvio para Morretes e Antonina, esse com mais tempo para comer e beber um pouco.

Mais 18 km e chegada a Antonina as 15:30 h. O ânimo e cansaço não permitiram uma volta pela cidade do Festival de Inverno, que é um perído muito esperado pela cidade, não só pelo festival, mas pelo resgate do turismo, depois das chuvas de março, que causaram deslizamentos e queda de pontes e afastou o turista de final de semana. Mas aos poucos a região vai retornando a normalidade.

Clique nas fotos abaixo para ir ao álbum.



Ps 01 - 84 km pedalados. Detalhe parte do percurso abaixo foi esquecido de registrar, que foi do Atuba até o Alphavile Graciosa


Ps 02 - Muitos carros nesse dia. Por volta das 13 horas ainda. Na descida da Graciosa a bicicleta rende mais que os carros, mas nem por isso tente ir na contra-mão, é perigoso, eu que o dia!
Ps 03 - Entre pedais fortes e inexperientes todos se salvaram.
Ps 04 - Dia Bonito!
Ps 05 - Bom treino com a Trans Alpine nas costas.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...