domingo, 29 de novembro de 2009

Rafting da Ativa em Apiúna-SC com os Altaneiros


A frase é a seguinte: no rafting não há um dia igual ao outro.

Foi o meu 4. e por isso, rafting grátis. Comecei no ano 2000 quando estava na festa Pomerana e fui com 01 amigo Odayr e seu filho Tiago, depois mais dois , com meus amigos Hélio e Rosane (neste último também).
No ano de 2007 fui a Itacaré-BA e fiz no rio de Contas, numa enrolada que me deram, porque não foi com a Ativa Rafting.
Dessa vez eu fui com o pessoal do grupo Altaneiros em 21 pessoas. O rio estava cheio com 2,45 m, se não em engano, então a nossa opção radical foi intermediária Estavam comigo no bote Rafael, Rogério, Rosane, Lucíola, Liz e Marcelo.
Levamos um caldo na corredeira Fooood....., o Rogério foi parar na chegada 800 metros a frente.

Nota: no video abaixo nível avançado ou radical (mas não muito). Eu sou o último a direita (ao lado do guia) pode se ver no vídeo quando o bote vira o meu remo é arremessado  para cima. Detalhe nunca perca o remo, disseram. Demais fotos clique aqui.

De Rafting em Apiúna - Altaneiros

domingo, 15 de novembro de 2009

Pedalada do Heron - Vila da Glória, Baía da Babitonga-SC



Distensão a parte...he he he. Um pouco de expectativa e consegui fazer parte do pedal do Heron , com o pessoal do Lavailama, para Vila da Glória, Baía da Babitonga. E olha o tempo e será que chove? E finalmente no domingo saímos as 7:30 h para Garuva-SC.
Chegando lá retiramos todas as bicicletas da carreta e saímos para a ponte pensil no caminho colonial 6 km de distância no sentido oposto ao destino para encontrar a Sandra Joanides e o Kão que vinham pela BR 101, desde Curitiba.
Nesse local algumas fotos e seguimos a caminho para a Vila da Glória, afinal um almoço a base de camarão e peixe nos esperava.
Estrada, poeira, pit stop bar Baharas, pneu de um integrante que furou, piscina de água gelada e o restaurante do Jaci zinho (escrito assim mesmo) depois de 54 km.
E a chuva mesmo só na chegada a Curitiba.

Nota: a vila da Glória pertence a cidade e ilha de São Francisco do Sul-SC, possui restaurantes de frutos do mar de vários "zinhos" e moradia de pescadores. Existe a ligação por ferry-boat com a ilha e a cidade de Joinvile.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Salto 7 Inédito e a nova palavra. III e última parte



Fechando o feriado mais uma manhã de pedalada de 16 km com os mesmos pedaleiros do dia anterior e para mim a mesma roupa de ciclista lavada e secada na noite anterior.
O salto 7 poderia ser por causa dos 7 pecados capitais, segundo a estória "fake", mas era por causa dos seus 77 metros de altura. Na chegada ao local tem uma casa que serve de pousada para uma família e outras ainda em construção. Uma dica aqui do autor sobre a proteção com pára-raios na caixa d'água por causa da altura.
Uma olhada no mirante ou inicio da queda. Depois a descida até as margens do Rio dos Patos e uma pequena subida em meio ao córrego do rio do Salto 7. Chegando lá um banho de cachoeira e tanto.
Retorno para o hotel e um banho para voltar para Curitiba. Um feriado de muito sol, um belo lugar, e pessoas muito divertidas.

domingo, 1 de novembro de 2009

Pedal na Terra das Cachoeiras Gigantes. II Parte


E no dia seguinte o pedal até a cachoeira São João. Saímos, na foto: Linhares, Molinari, Alan, Sirlene e Maumau, 08 horas da manhã para um pedal de 24,8 km. Minha surpresa ao deparar com a bicicleta já empoeirada pela estrada do dia anterior. O outro grupo seguiria de ônibus as 9:30 horas.
Foi um passeio que eu desejava já no anterior. A lembrança que eu tenho é da menina na entrada da fazenda com a frase decorada sobre o acesso e mais nenhuma palavra.
Chegamos as 10 horas no mirante a beira da estrada e o comentário do Alan que se perdeu e demorou para achar esse local na 1. vez que esteve lá. Logo chegou o ônibus com o pessoal. Fomos para a fazenda e lá estava a garota e o irmão, dessa vez falando outras palavras. E fomos para a bela paisagem e fotos.
A tarde o programa era o Recanto Perouski. Puxa que lugar maravilhoso. Da outra visita tinha que escolher o Ninho do Corvo que fica ao lado. Roupa de ciclista e tibum.
Na sequência ali perto o Salto São Sebastião e o Mlot. A descida para o São Sebastião as 17:30 horas, um tanto molhada, foi um percurso radical, cordas no e vertical, com direito a esfola canela e descida lisa. Restrição na descida para algumas pessoas, só quem teria a famosa disposição "uma pessoa não atleta e não sedentária. Esse foi o dia.
A noite pizza no Casarão. Engraçado, toda a cidade pequena e turística tem uma pizzaria Casarão, lembrei de uma em Praia Grande-RS.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...